A escritora cabo-verdiana Orlanda Amarílis, autora de «Cais do Sodré Té Salamansa» e considerada a «renovadora do conto» no arquipélago, morreu no sábado em Lisboa, aos 89 anos, noticia esta segunda-feira a imprensa de Cabo Verde.

Orlanda Amarílis Lopes Rodrigues Fernandes Ferreira nasceu em 1924, na Assomada, Santa Catarina, ilha de Santiago, é considerada «uma notável contista» da ficção cabo-verdiana, temas «marcantes» das suas obras, que envolve perspetivas na área de literatura feminina, retratos da vida da mulher cabo-verdiana e da diáspora.

A viver em Portugal desde meados dos anos 1950, após uma estada em Angola, Orlanda Amarílis pertenceu ao movimento literário «Certeza» (1944), revista que, depois da «Claridade», segundo a crítica, marcou um «momento significativo» na vida cultural cabo-verdiana.

Como ficcionista, Orlanda Amarílis colaborou em várias revistas, como «Colóquio/Letras», «África» e «Loreto 13», da Associação Portuguesa de Autores, e está representada em várias antologias.

A escritora publicou vários livros de contos -«Cais de Sodré Té Salamansa» (1974), «Ilhéu dos Pássaros» (1983) e «A Casa dos Mastros» (1989), que foram também traduzidos para outras línguas, como o russo, húngaro e holandês.

Orlanda Amarílis era casada com o escritor português Manuel Ferreira e era filha do investigador Armando Napoleão Fernandes, autor do primeiro Dicionário Crioulo Português, bem como sobrinha do novelista António Aurélio Gonçalves. A irmã, Ivone Ramos, também é escritora.

O seu trabalho como autoria e ficcionista de grande qualidade literária foi reconhecido por críticos portugueses como Jacinto Pedro Coelho, Duarte Faria, Fernando Assis Pacheco, Casimiro de Brito e Pires de Laranjeira, entre outros.

Pela importância da sua obra, Amarílis liderou a geração de mulheres, sobretudo a nível da ficção, que ajudou a modernizar a literatura cabo-verdiana, abrindo as portas a nomes como Maria Margarida Mascarenhas, Dina Salústio ou Fátima Bettencourt, entre outras.

O funeral da escritora realiza-se hoje em Lisboa e o seu corpo será cremado e, conforme o seu desejo, as cinzas serão colocadas no jazigo da família.