As autoridades lançaram esta sexta-feira nova operação policial em Bruxelas, com várias buscas a decorrer. Já há um detido, segundo a AFP, das primeiras seis buscas que foram levadas a cabo pelas autoridades.

A televisão belga RTBF avança que mais duas buscas realizadas resultaram numa outra detenção. 

Desta vez, a operação está relacionada com o bombista suicida Bilal Hadfi, um dos três que se fez explodir perto do Stade de France, nos ataques terroristas da passada sexta-feira, em Paris. Francês nascido a 22 de janeiro de 1995, residente na Bélgica. Lutou na Síria com o Estado islâmico. 

Bilal Hadfi

As buscas estão a ser realizadas em diferentes municípios de Bruxelas, incluindo Molenbeek-Saint-Jean, Uccle e Jette.

Outra rusga foi realizada de manhã, no bairro de Ixelles Laeken, "no quadro do dossier Paris", durante a qual uma pessoa foi detida, segundo a AFP. O nível de envolvimento nos ataques continua a ser averiguado. 

Não é a primeira vez que a polícia belga procura os suspeitos (ou seus relacionados) dos ataques de Paris. Isto porque dois dos terroristas mortos viviam em Bruxelas e dois carros utilizados por suspeitos foram alugados na Bélgica. 

Ontem, numa rusga que durou cerca de sete horas, mas em Saint-Denis, no norte de Paris, a polícia foi atrás de   Abdelhamid Abaaoud, considerado o mentor dos atentados, presumindo “talvez lá estivesse”, nos apartamentos alvo de cerco policial. 

Uma mulher que estava no interior do apartamento, Hasna Aitboulahcen, de 26 anos, que se suspeita ser sua prima, atirou sobre os polícias depois de uma  troca de palavras e depois fez-se explodir.

O primeiro-ministro belga rejeitou as críticas sobre o papel dos serviços de segurança antes dos ataques.