Atualizado às 12:44

O combustível recolhido do mar ao largo da Malásia não pertence ao Boeing 777 da Malaysia Airlines desaparecido no sábado, revelaram hoje os resultados das análises realizadas, avança a AP.

«Aquele combustível não é utilizado em aviões», mas sim em navios, declarou a porta-voz da polícia marítima da Malásia, Faridah Shuib.

A camada de combustível encontrava-se a cerca de 185 quilómetros das costas orientais da Malásia, não muito longe do local onde o controlo aéreo perdeu o contacto com o avião.

Ainda segundo a agência Reuters, que cita o chefe da investigação na Malásia, os dois homens que utilizaram os passaportes roubados não tinham aparência asiática.

Também esta segunda-feira, as autoridades da Malásia desmentiram que tenham sido encontrados restos do avião, tal como informaram fontes do Vietname, enquanto procedem com a investigação «sem descartar nenhuma possibilidade».

O mesmo aconteceu em relação a um objeto amarelo flutuante que se pensou ser um bote salva-vidas do avião. Um helicóptero de resgate Vietnamita já recuperou o objeto e confirmou que afinal não se tratava de um bote salva-vidas do Boeing 777, avança a Reuters.

Equipas de nove países, incluíndo os Estados Unidos, retomaram esta segunda-feira as buscas no golfo da Tailândia do avião das Linhas Aéreas da Malásia, desaparecido há dois dias, com 239 pessoas a bordo, enquando serviços de informação investigam eventual ação terrorista.