Quase 400 anos depois da morte de Miguel de Cervantes, começam nesta segunda-feira as buscas dos seus restos mortais no Convento das Trinitarias de Madrid, onde se acredita que foi enterrado.

Um grupo de pesquisadores começa hoje uma análise dos possíveis locais onde possam estar depositados os restos mortais do escritor, recolhendo amostras que permitam realizar os testes necessários.

Depois de processar toda a informação, será possível no mês seguinte obter uma «imagem tridimensional absolutamente completa de todo o edifício», explicou o médico legista Francisco Etxeberría.

Estudos da Real Academia Espanhola concluíram que o escritor terá sido sepultado no convento madrileno por sua expressa vontade em 1616, quando faleceu.