Criança albina morta para rituais de feitiçaria

Menina de seis anos foi decapitada no Burundi

Por: Redação / HB    |   17 de Novembro de 2008 às 20:59
Uma menina albina de seis anos foi morta e mutilada na província de Ruyigi, no leste do Burundi. As autoridades acreditam que este crime estará ligado a rituais medicinais, que são executados por feiticeiros que utilizam membros de pessoas albinas para fazerem alegadas poções mágicas.

Segundo a BBC o caso registou-se no último domingo e foi o último de uma série de seis, desde o mês de Setembro.

As autoridades explicaram que um grupo de pessoas armadas entrou na casa da menina. Os seus pais foram amarrados, antes da criança ter sido morta a tiro. Em seguida, o corpo foi decapitado e desmembrado.

O director da Associação de Albinos do Burundi, Kasim Kazungu, disse, citado pela BBC, que as pessoas com este problema genético nunca tinham sido discriminadas no país, até terem surgido rumores de que os seus membros eram vendidos na vizinha Tanzânia para rituais de feitiçaria.

Cerca de 50 albinos da região de Ruyigi viram-se obrigadas a fugir, com receio de serem vítimas de ataques.

Na semana passada, um homem foi detido na Tanzânia quando tentava vender a sua esposa albina a negociantes congoleses.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Internacional
Internacional

COMENTÁRIOS

PUB
EUA e Cuba, o momento histórico

Barack Obama e Raúl Castro anunciam esta quinta-feira mudanças nas políticas entre os dois países. O regime de Raúl Castro libertou esta quarta-feira, por motivos humanitários, o empreiteiro Alan Gross, que cumpria quinze anos de prisão, num processo de negociação no qual o presidente norte-americano, Barack Obama, esteve envolvido. Em troca de Alan Gross, preso há cinco anos, foram libertados três prisioneiros dos serviços secretos cubanos em solo americano. Este é um primeiro passo que abre espaço a uma revisão da relação diplomática entre os dois países