Um homem furou, no domingo, o perímetro de segurança na cerimónia do festival Burning Man, uma celebração de arte, música, cor e fogo no Black Rock Desert, nos Estados Unidos. Conseguiu fazê-lo com sucesso, atirou-se para as chamas da efígie gigante de madeira que, todos os anos, é construída e queimada no final do evento. Acabou por morrer. 

Aaron Joel Mitchell, 41 anos, ainda foi retirado pelos bombeiros com vida, mas faleceu poucas horas depois, já no hospital, UC Davis, na Califórnia.

Os médicos confirmaram que não estava sob influência do álcool quando decidiu atirar-se para as chamas. Ainda falta saber o resultado dos testes de estupefacientes.

Nós não sabemos se foi intencional da sua parte ou se foi apenas induzido pelas drogas. Ainda não temos a certeza", indicou oxerife do condado de Pershing de Nevada, Jerry Allen.

No evento, estavam presentes cerca de 50 mil pessoas. Mitchell era um dos festivaleiros. Cidadão norte-americano, tinha uma casa em Oklahoma, mas estaria a morar na Suíça com a sua esposa.

As tentativas de resgatar Mitchell foram dificultadas pelo facto de parte da estrutura estar a cair naquele momento. Os socorristas tiveram de deixar que a estrutura caísse em prol da segurança na operação de salvamento", explicam as autoridades, num comunicado citado pela AP.

Conhecido pelas suas obras de arte eclécticas, concertos e outro tipo de entretenimento, o Burning Man começou em São Francisco antes de se mudar para o Nevada, em 1990. Ao longo dos anos, como o evento cresceu em popularidade, foram relatadas mortes e crimes, desde acidentes de carro até mortes causadas por drogas. Mas esta foi a primeira vez que aconteceu uma fatalidade com estes contornos no festival.

As pessoas tentam entrar no fogo como parte da porção espiritual de Burning Man. O significado do homem a queimar-se é apenas um tipo de renascimento, queimam o homem no chão, um novo capítulo começou. Faz parte dos seus princípios de auto expressão radical".

A organização do Burning Man cancelou a queima daquela instalação, mas realizaram-se as 8 horas de queima do templo, outro evento de assinatura que sinaliza o fim do festival de nove dias. 

Está a ser disponibilizado apoio psicológico no site do festival. 

Em 2014, um homem morreu, em Utah, ao saltar para uma grande fogueira, na cerimónia de um evento semelhante ao Burning Man. Esse caso foi investigado como um suicídio.