O Observatório para Liberdade Religiosa (OLR) afirma, em comunicado, que os atentados registados hoje, em Bruxelas, têm por objetivo “instaurar o medo e a instabilidade" e “dão forma a obscuros interesses políticos ou económicos”, alegando motivações religiosas.

A capital belga foi hoje de manhã abalada por dois atentados, com duas explosões no aeroporto e uma na estação do metropolitano de Maelbeek, que fizeram, segundo o último balanço divulgado, 34 mortos e 187 feridos, e levaram à evacuação do palácio real.

Em comunicado, o observatório português afirma que, hoje de manhã, “o ‘terrorismo’ voltou à Europa e, uma vez mais, vitimou inocentes”.

“Esta ação demonstra claramente como, alegando motivações religiosas, assassinos procuram limitar a liberdade religiosa, agindo em nome de ideais que, pretendendo instaurar o medo e a instabilidade, servem apenas a barbárie e dão forma a obscuros interesses políticos ou económicos”, lê-se no texto divulgado.

O OLR recorda a posição tomada em janeiro de 2015, a propósito do atentado contra um jornal satírico, em Paris, e que reafirmou quando dos “devastadores atentados de novembro” passado, também na capital francesa, que não lhes cabe “emitir juízos de valor ou sublinhar, em destaque acusatório, quaisquer interpretações teológicas desta ou daquela crença”.

"As palavras podem ser sombras ao pé da imagem agitada daqueles que as interpretam. Todavia, somos sujeitos da nossa época e dos seus valores. Não há como negar a realidade em que culturalmente nos integramos e da qual somos herdeiros. Pela experiência histórica, sabemos que a religião, capaz de construir relações de solidariedade e compaixão, contribuindo para o edifício ético, é usada como combustível de guerra. Se é um desafio para todos os que sustentam e se guiam pelos ideais da Liberdade, baseados nos Direitos Humanos, é também, e sobretudo, um desafio individual e coletivo para quem se diz islâmico", reafirma o OLR.

“Em nome da liberdade religiosa, o OLR manter-se-á fiel aos seus valores: respeito pelo princípio das liberdades associativa, individual e de consciência; facilitar processos de diálogo cultural, especificamente o diálogo entre estruturas de crença, promovendo o respeito pelas diferenças e a responsabilidade social, para uma cidadania plena e ativa”.

Defende o OLR a “sinalização e análise do fenómeno religioso”, o “estímulo às práticas de cidadania a partir da observação dos direitos e deveres inerentes à liberdade religiosa”, e realça o observatório a “importância do estudo e produção de conhecimento isento, relativo ao fenómeno religioso em todos os escalões de ensino reconhecidos oficialmente”.

A procuradoria belga confirmou que as três explosões foram atentados e que ainda não foram reivindicados.

O nível de alerta terrorista na Bélgica foi elevado para quatro, o máximo da escala.