O Governo da Áustria não sabe o que fazer com a casa na cidade de Braunau onde Hitler nasceu, a 20 de abril de 1889, e que está desocupada desde 2011. Uma reportagem da BBC News refere que o Executivo paga uma renda de 4 800 euros à proprietária para impedir que ali se instalem organizações neonazis e romarias de admiradores do líder nazi. 

A proprietária conhecida apenas como Gerlinde P. não está interessada em vender o imóvel e tem dificultado obras no edifício, que se encontra em mau estado de conservação, depois de ter sido ocupado durante vários anos por uma creche e um centro de dia para pessoas com deficiência. As instituições de beneficência abandonaram o prédio em 2011 e, desde essa altura, é o Governo austríaco que paga a renda de quase cinco mil euros para manter longe do lugar quaisquer simpatizantes nazi.

Para prevenir a veneração da casa como local de culto para neonazis, o prédio está proibido por lei de se transformar em museu e apenas pode ser usado para fins sociais ou educacionais. Assim, desde 2011, o Executivo austríaco pagou mais de 150 mil euros de renda e a polémica ainda não tem fim à vista de acordo com a reportagem da BBC, que diz que ainda não há solução para o dilema desta casa.

Em 2012, um deputado russo, Frantz Klintsevich, eleito pelo partido Rússia Unida, força política do presidente Vladimir Putin, tentou angariar 2,2 milhões de euros para comprar a casa. Klintsevich disse na altura, à revista «Der Spiegel», que compraria a casa «num piscar de olhos» para a «destruir de forma ostensiva». A proposta foi recusada pela proprietária.

A dona do imóvel não parece mesmo disposta a desfazer-se da propriedade e, para já, não há solução para a casa onde nasceu o ditador do III Reich.