crack




"Tiramo-las das ruas, por vezes das suas casas nas favelas, e trazêmo-las para aqui, onde podem se alimentar, tomar banho, vestir uma roupa de ballet”, disse a professora.





“O meu maior sonho é ser bailarina. Estou há cinco anos no ballet… e quando entrei já sabia que queria ser professora de ballet e bailarina”, confessou Tais Tainara, uma das alunas, com apenas 12 anos.