O Ministério Público Federal (MPF) do Brasil acusou, esta segunda-feira, o ex-Presidente Lula da Silva pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, tráfico de influência e corrupção passiva devido a negócios em Angola.

As práticas criminosas ocorreram entre, pelo menos, 2008 e 2015 e envolveram, segundo o MPF, a atuação de Lula (da Silva) junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social (BNDES) e outros órgãos sediados em Brasília com o propósito de garantir a liberação de financiamentos pelo banco público para a realização de obras de engenharia em Angola", lê-se num comunicado do MPF.

Além de Lula, a acusação foi feita anda contra mais 10 pessoas, entre elas o empresário Marcelo Odebrecht e o sobrinho de Lula da Silva, Taiguara Rodrigues dos Santos.

O ex-presidente brasileiro, Lula da Silva, vai também ser julgado por suspeitas de corrupção por alegadamente ter aceitado cerca de um milhão de euros (3,7 milhões de Reais) em subornos disfarçados como presentes, avança a agência de informação Reuters.

É a segunda vez que Lula da Silva é constituído arguido no caso Lava Jato. Desta vez, estará em causa a acusação de subornos pagos pela petrolífera estatal Petrobras a Lula e a outros sete arguidos.