Uma mulher foi atingida por uma bala perdida durante uma operação policial, domingo passado, no Morro da Congonha, Rio de Janeiro. Depois de ser colocada na bagageira do carro da polícia para ser levada para o hospital, a porta abriu-se e o corpo da mulher foi arrastado durante vários metros, escreve o jornal Globo.

O momento em que o corpo da mulher é arrastado foi captado em vídeo e divulgado Jornal Extra.

Esta segunda-feira, um grupo de moradores do bairro onde a mulher residia resolveram cortar o trânsito numa artéria movimentada, junto ao Morro do Cajueiro, para protestar pela morte de Cláudia da Silva Ferreira e pelo que aconteceu a caminho do hospital. Além de cortarem a circulação automóvel, os moradores também terão atearam fogos em caixotes do lixo, que atiraram depois para o meio da rua.



Cláudia tinha 38 anos de idade e quatro filhos. Também tomava conta de quatro sobrinhos. Trabalhava como auxiliar de serviços no Hospital Naval Marcílio Dias. Era casada e ia festejar 20 anos de casamento em Setembro deste ano.