O ex-Presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva confessou-se cansado de denúncias contra si, após ter sido constituído arguido, pela primeira vez, no âmbito da Operação Lava Jato.

Eu não quero falar dos meus problemas pessoais para não transformá-los em problemas coletivos, mas enquanto estou aqui conversando com vocês, fiquei a saber que foi aceite uma denúncia contra mim de obstrução da Justiça", disse, durante um discurso para trabalhadores do ramo financeiro em São Paulo, na sexta-feira.

Por decisão do juiz Ricardo Leite, da 10.ª Vara da Justiça Federal de Brasília, o ex-Presidente e outras seis pessoas foram constituídas arguidas por alegadas tentativas de obstrução à justiça na Operação Lava Jato, que investiga o maior esquema de corrupção da história do país.

No entanto, Lula da Silva pede respeito e diz ter cumprido a lei.

Duvido que haja alguém neste país que cumpra mais a lei do que eu, duvido que exista alguém que respeite mais a instituição do que eu. A única coisa que eu quero é respeito.”

O ex-presidente do Brasil enfrenta a acusação de obstrução à justiça. É acusado de ter tentado comprar o silêncio de um ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró.

Para além de Lula, também o ex-senador Delcidio do Amaral, o ex-chefe de gabinete de Delcídio Ferreira, o banqueiro Andre Esteves, o advogado Edson Ribeiro, o pecuarista José Carlos Bumlai e o filho dele, Maurício Bumlai foram formalmente acusados e estão igualmente implicados no processo Lava Jato.