Lula da Silva entrou com uma petição na Organização das Nações Unidas (ONU) alegando abuso de poder e violação de direitos humanos na condução da investigação da Operação Lava Jato, na qual é acusado de corrupção, anunciaram os seus advogados esta quinta-feira.

O documento foi entregue esta manhã em Genebra, alegando que o juiz federal Sérgio Moro violou o Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos.

Na petição, o ex-presidente brasileiro afirma não ser contra uma investigação “justa e transparente”, mas critica a “clara falta de imparcialidade” de Sérgio Moro e os seus “atos ilegais”, como a divulgação de conversas privadas com Dilma Rousseff.

Lula da Silva acusa ainda o juiz de estar “irremediavelmente enviesado” e, portanto, sem condições para julgá-lo ou prendê-lo.

Para elaborar o documento, Lula recorreu à ajuda de Geoffrey Robertson, o advogado especialista em direitos humanos que representou o fundador do Wikileaks Julian Assange.

Segundo o jornal britânico The Telegraph, Lula da Silva corre o risco de ser preso durante os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro.