Um homem foi detido esta quinta-feira em São Paulo, no Brasil, depois de a filha biológica ter dado um creme de avelã envenenado a colegas da escola. Após ingerirem o doce, no dia 27 de setembro, as seis estudantes tiveram de ser internadas.

A polícia suspeita que o detido tenha envenenado o produto porque não queria reconhecer a paternidade da filha. Contudo, a jovem não provou do doce, tendo apenas oferecido às colegas.

Outro dos suspeitos é Kaíque, um jovem de 21 anos, que admitiu ter entregado o produto à rapariga sabendo que estava envenenado. No entanto, a polícia acredita que não tenha agido sozinho.

Já a mãe da adolescente tinha acusado o pai biológico da filha de estar envolvido no caso.

Ele pagou o menino [Kaíque] para matar a minha filha.Eu fiz o teste de paternidade. Acho que ele a quer matar para não provar que é filha dele”, afirmou ao portal de notícias brasileiro G1, sem querer ser identificada.

Exames realizados pela Secretaria Municipal da Saúde confirmaram a presença de uma substância não compatível com os ingredientes do creme de avelã, mas serão necessários mais testes para confirmar o que causou a intoxicação das jovens.