Um ginecologista brasileiro foi condenado a 130 anos de prisão por violar 15 pacientes.

Os crimes ocorreram entre setembro de 2014 e fevereiro de 2015, num hospital privado, num hospital regional e num posto de saúde no município de Ariquemes, no Estado de Rondônia, que faz fronteira com a Bolívia.

Segundo o acórdão do Tribunal de Justiça de Rondônia, citado pela imprensa brasileira, nesta quarta-feira, o médico, Pedro Augusto Ramos da Silva, masturbava as pacientes durante o exame ginecológico.

Entre as vítimas estão uma grávida e uma mulher que tinha sofrido um aborto espontâneo.

O ginecologista foi condenado a oito anos e oito meses de prisão por cada crime, totalizando 130 anos de pena.

Para a juíza do processo, as vítimas são “mulheres corajosas, resilientes, que enfrentavam um obstáculo talvez inantigível, passaram por cima de sua própria intimidade para impedir que outras incontáveis mulheres viessem a ser vítimas de fatos semelhantes”.

O homem, que já tinha antecedentes criminais, está detido desde fevereiro de 2015 mas só agora a sentença foi proferida.