O Partido dos Trabalhadores (PT), que governa o Brasil desde 2003, proclamou hoje na sua convenção nacional a candidatura da presidente brasileira, Dilma Rousseff, a um segundo mandato nas eleições do próximo dia 5 de outubro.

Na convenção foi também selada a aliança do PT com o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e a candidatura de Michel Temer à reeleição como vice-presidente na equipa de Dilma Rousseff.

Esta aliança partidária tinha já sido aprovada há duas semanas pelo PMDB, o principal aliado do PT na coligação governamental.

Hoje, no encontro do PT em Brasília, Rousseff e Temer contaram com o apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do presidente nacional do PT, Rui Falcão, entre outros líderes de partidos aliados.

Apesar de a candidatura de Rousseff ser dada como certa há vários meses, não tinha sido formalizada até agora, o que permitiu que nos últimos meses surgisse um movimento do partido que defendia uma candidatura do ex-presidente Lula da Silva (2003-2010).

Rui Falcão apontou para a necessidade de promover uma «reforma do atual sistema político eleitoral» e a «democratização dos meios de comunicação», a qual, segundo o responsável, «os oligopólios tentam caracterizar como censura», conforme cita a agência espanhola de notícias (Efe).

O líder do PT também denunciou as vaias com que Dilma Rousseff foi brindada durante o jogo inaugural do Mundial de Futebol 2014, afirmando que «saiu o tiro pela culatra» aos contestatários, porque a presidente estava cercada pela «solidariedade unânime daqueles que condenam a violência».

Mesmo liderando as intenções de voto para as presidenciais com ampla vantagem, a chefe de Estado brasileira está a perder terreno e as últimas sondagens indicam que já não está garantida a sua reeleição sem necessidade de disputar uma segunda volta, que é obrigatória quando nenhum dos candidatos obtém mais do que a metade dos votos.

De acordo com uma sondagem do Instituto Ibope, caso as eleições fossem hoje, Rousseff obteria 39% dos votos, seguida pelo senador Aecio Neves (21%), do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) e pelo ex-governador do estado de Pernambuco, Eduardo Campos (10%), do Partido Socialista Brasileiro (PSB).

Assim, segundo a sondagem, Rousseff e Neves iriam disputar uma segunda volta, sendo a atual presidente reeleita com 43% dos votos face aos 30% do candidato do PSDB.