Giovanna Bernardini Miron, uma menor brasileira de 16 anos e grávida de seis meses, acabou por morrer depois de ser atropelada por um condutor que, de acordo com a polícia, não só fugiu sem a auxiliar, como parou para troçar do ocorrido.

«Ele tem que ser achado. A pessoa atropelou e ainda parou para xingar», disse o tio da menor ao G1.

«Ela tinha a vida inteira pela frente. Como ele atropela e não para para ajudar? Eu quero Justiça», contou a mãe da adolescente, Danielle Monteiro.


A vítima vivia em São Paulo, e encontrava-se em São Vicente para passar o fim de semana com o namorado e pai da criança que, apesar de ter sobrevivido ao atropelamento, ficou com em estado de choque.

Os jovens foram assistidos no local e enviados para  Unidade de Pronto Atendimento de Samambaia, em Praia Grande, mas Giovanna não resistiu aos ferimentos.

Segundo a família, a adolescente recebeu com alegria a notícia de que estava à espera de um menino, que apenas soube que vinha a caminho no quarto mês de gestação, e tinha como objetivo ir viver para São Vicente, onde o pai da criança, Eduardo Gonçalves Rodrigues, de 21 anos, vivia com familiares.

«Ela estava feliz. Extremamente radiante porque ia ter um menino. A gente fez o enxoval, fazia planos», contou a mãe da menor ao G1.


Os familiares apresentaram queixa no 3º Distrito Policial de São Vicente, e aguardam que as câmaras de vigilância da estrada possam identificar o condutor.

O acidente ocorreu na sexta-feira, 19, tendo tido lugar o velório e funeral este domingo.