Um motim numa prisão de Pedrinhas, em São Luís, no estado brasileiro do Maranhão, causou na quarta-feira, pelo menos, 13 mortos e cerca de 30 feridos, informou o governo local.

Em comunicado, o governo do Maranhão, no nordeste brasileiro, atribuiu o conflito a uma disputa entre máfias rivais que atuam na prisão.

O motim iniciou-se depois de uma operação policial que terminou com a detenção de 16 membros de uma organização criminosa, considerada como a maior do Maranhão, acrescenta a nota.

Segundo afirmou ao jornal «G1», o secretário de Segurança Pública do Maranhão, Aluísio Mendes, as autoridades ainda estão a fazer «buscas na penitenciária».

Durante a operação policial, as autoridades suspeitaram que um túnel estava a ser escavado para a realização de uma fuga e os incidentes começaram quando os agentes tentaram revistar a cela de entrada para o túnel.

No exterior da penitenciária, juntaram-se vários familiares de detidos e já houve confrontos com guardas prisionais.

Entretanto, após o motim e o anuncio das mortes, uma das fações envolvidas nos incidentes incendiou sete autocarros na cidade, em São Luís. Não há informação sobre feridos até ao momento. Um dos motoristas, que preferiu o anonimato, contou ao «G1» que três homens armados invadiram o veículo e ordenaram aos passageiros que saíssem, porque iam pegar fogo ao autocarro.