O candidato presidencial do PSDB, Aécio Neves, dedicou este domingo os resultados obtidos na primeira volta das eleições ao ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos e candidato presidencial pelo PSB, que morreu num acidente de aviação em agosto. Um claro piscar de olho ao apoio, na segunda volta, da família de Eduardo Campos e de Marina Silva, a grande derrotada destas eleições que substituiu o antigo governador de Pernambuco na corrida presidencial. 

«O meu agradecimento a cada brasileiro e cada brasileira que acreditou na oportunidade de mudança. Os candidatos de oposição somados foram vitoriosos, tiveram maioria dos votos no primeiro turno», disse.

«Quero aqui desde já deixar uma palavra de homenagem muito pessoal a um amigo, a um homem público honrado digno que foi abatido por uma tragédia no meio dessa campanha. A ele, aos seus ideais e aos seus sonhos também a minha reverência e nós saberemos juntos transformá-los em realidade», acrescentou. 

   

Leia também:
Dilma e Aécio na segunda volta
Dilma agradece aos eleitores e a Lula: «A luta continua»
A quem vai Marina Silva oferecer 21 milhões de votos? 

Aécio discursou em Belo Horizonte, acompanhado da mulher de Antônio Anastasia, eleito em primeiro senador por Minas Gerais, e abriu claramente a porta ao apoio de Marina Silva na segunda volta: «Todos aqueles que puderem ou que quiserem contribuir com esse projeto de mudança serão muito bem-vindos. Eu tenho enorme respeito pessoal pela ex-ministra e senadora Marina Silva, mas tanto em relação a ela quanto às outras lideranças é preciso que nós aguardemos que cada um tome o caminho que achar mais adequado».

«O que eu posso dizer é que nesse projeto (…), todos aqueles que tiverem contribuição a dar para a nossa plataforma, no nosso projeto de governo e na construção da nossa vitória serão muito bem-vindos», afirmou. 


Aécio Neves refutou as especulações que dão como certas conversações com a viúva de Eduardo Campos para um possível apoio à sua candidatura na segunda volta. «Eu tenho respeito enorme pela Renata, mas não tenho nenhum encontro marcado. Eu vi até especulação sobre isso. Eu sou muito cauteloso em relação a essas questões. Estamos ainda com o resultado saindo do forno. Vamos aguardar amanhã, os próximos dias, eu acredito que todas aquelas forças políticas que acreditam na mudança, que percebe como nós percebemos que esse ciclo de governo tem que se encerrar em benefício do Brasil, espero que possam estar ao nosso lado, serão muito bem-vindos», repetiu.

O candidato do PSDB reconheceu que o resultado obtido (33,5% dos votos válidos) fica muito acima das expectativas e prometeu luta na campanha para a segunda volta: «Não vou parar um minuto. Estamos apenas na metade da Travessia, não vamos nos dispersar».