Cerca de 400 gays, lésbicas, bissexuais, transgéneros e ativistas obrigaram ao corte do trânsito na Avenida Paulista, a principal avenida de São Paulo, com um beijo coletivo contra o candidato Levy Fidelix (PRTB), que proferiu declarações polémicas sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo no debate do último domingo.

«Pelo que eu vi na vida, dois iguais não fazem filho. E digo mais. Desculpe, mas aparelho excretor não reproduz», disse o candidato em resposta a uma interpelação de Luciana Genro (PSOL).

«Vai para a Paulista e anda por lá um pouquinho. É feio o negócio», acrescentou.

Cerca de 400 pessoas seguiram o conselho do candidato. De acordo com a imprensa online brasileira, o protesto foi marcado pelo Facebook. Os manifestantes gritaram palavras de ordem como «Que contradição, aborto é crime, homofobia não» e «Eu beijo homem, beijo mulher, tenho direito de beijar quem eu quiser».

O protesto, que os organizadores denominaram «beijaço», visava o cancelamento da candidatura de Fidelix e a criminalização da homofobia. Aproveitaram para pedir também a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo e a defesa dos direitos dos homossexuais.

Outros protestos do género estão a ser marcados nas redes sociais. Um deve acontecer já esta quinta-feira, junto à sede do Partido Renovador Trabalhista Brasileiro, e outro está agendado para sábado, frente à casa do candidato.