O Comité dos Boy Scouts da América aprovou, de forma unânime, a entrada de gays adultos como líderes, noticia a Reuters.

Este é considerado um dos maiores passos para desmantelar a política que causou uma das mairores divisões na organização com 105 anos. A decisão foi tomada após um discurso enfático do presidente do grupo, Robert Gates, que em maio afirmou que a proibição já não era sustentável.

O Conselho Nacional Executivo terá ainda de ratificar a decisão a 27 de julho, altura em que será emitido um comunicado.

Em 2013, o grupo nacional de escuteiros dos Estados Unidos, votou o fim da política contra a presença de membros homossexuais que estava em vigor desde 2000, quando a organização ganhou, no Supremo Tribunal, o direito de banir a presença e a inscrição de «gays» nas suas unidades. No entanto, essa mudança não acabou com a proibição de líderes adultos gays.