O ex-vice-primeiro-ministro da Rússia e notório crítico do presidente Vladimir Putin, Boris Nemtsov, foi morto a tiro, esta sexta-feira, em Moscovo por um «grupo de pessoas» ainda por identificar.

Segundo a agência Reuters, que cita a Interfax, fonte da polícia confirmou que Nemtsov foi abatido enquanto passeava a pé perto do Kremlin por um «grupo de pessoas» que saíram de um carro e dispararam quatro tiros que o atingiram nas costas.

Várias pessoas foram testemunhas do assassinato, adiantou a polícia, citada pela agência noticiosa RIA Novosti.

«Estou a ver, à minha frente, o corpo de Boris. Estão muitos polícias à sua volta», disse uma pessoa próxima de Nemtsov, o opositor Ilia Iachine, à Ria Novosti.

No local encontravam-se uma dezena de viaturas e ambulâncias, com os polícias a bloquearem o acesso, como testemunhou uma jornalista da agência noticiosa AFP.

Boris Nemtsov, 55 anos, foi vice-primeiro-ministro do Governo de Boris Yeltsin, em 1990, e era visto como um dos principais opositores do presidente russo.

Vladimir Putin teve conhecimento da notícia, já condenou o homicídio de Nemtsov e ordenou a investigação do incidente.  

O porta-voz do presidente da Rússia disse que este pode ter sido um «assassinato encomendado», e até uma «provocação» da oposição, que planeia uma manifestação para o próximo domingo.