O tempo dos smartphones e das redes sociais levanta novos desafios. Por exemplo, numas eleições, pode haver quem queira aderir à moda das selfies e mostrar aos amigos, e ao mundo, como votou. Na África do Sul, a comissão eleitoral fez questão de lembrar que quem mostrar o boletim de voto preenchido nas legislativas da próxima quarta-feira estará a cometer um crime.

«Lembramos os eleitores que é um crime tirar e/ou publicar fotografias que revelem o voto de alguém num boletim de voto», diz um comunicado da Comissão Eleitoral Independente citado pela AFP, lembrando que quem o fizer incorre numa pena que pode ir de uma multa a um ano de prisão.

Recordando que uma selfie do boletim «mina o princípio do voto secreto», a comissão explica que decidiu fazer o alerta porque vários sul-africanos a viver no exterior, que já votaram, publicaram nas redes sociais os seus boletins de voto preenchidos.

Nota também que, embora seja proibido levar máquinas fotográficas ou equipamento de filmar para as mesas de voto, é virtualmente impossível controlar quem entra com um smartphone.

A África do Sul elege um novo Governo e um novo parlamento nesta quarta-feira, nas quintas eleições democráticas desde o fim do apartheid.