Rixard Nixon, ex-presidente dos EUA, mentiu em 1972, em plena campanha para a sua reeleição, sobre o impacto real dos bombardeamentos no Vietname, revela um documento secreto tornado público no novo livro de Bob Woodward, o repórter do Washington Post que esteve na origem do escândalo de Watergate, noticia a AFP.

O jornalista apresenta, esta quarta-feira, o livro “O último homem do presidente”, que foi escrito tendo por base as entrevistas a um ex-assessor de Nixon, Alexander Butterfield, um dos protagonistas das revelações do escândalo de Watergate e que tinha em sua posse milhares de documentos confidenciais da presidência da época.

E é num destes documentos, datado de janeiro de 1972, que Nixon protesta com o seu assessor de Segurança Nacional, Henry Kissinger, pelo impacto “nulo” do ano dos bombardeamentos dos EUA sobre o Vietname do Norte, Laos e Cambodja.

“K. há dez anos que controlamos por completo o céu de Laos e do V.Nam. Resultado: nada [Zilch]. Há algo que não funciona na estratégia ou na força aérea”, pode ler-se numa nota escrita à mão por Nixon sobre um memorando dactilografado dedicado à evolução das operações militares no Vietnam.

Um dia antes de escrever esta nota, o ex-presidente dos EUA tinha sido entrevistado pela CBS sobre o impacto das operações aéreas dos EUA no Vietname, onde assegurou que “os resultados foram muito, muito eficazes”.

No seu livro, ao qual o Washington Post teve acesso, Woodward afirma que a afirmação de Nixon foi “uma mentira, e aqui Nixon deixa claro que sabia disso”, acrescentando que Nixon defendeu e intensificou o bombardeamento para aumentar as perspetivas de reeleição.