O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, reafirmou este domingo a vontade de criar uma zona de oração para homens e mulheres no muro das Lamentações, em Jerusalém, apesar da oposição crescente de alguns rabinos e aliados políticos.

Em janeiro, o governo israelita tinha anunciado a criação de uma terceira zona de oração no muro das Lamentações, o local mais sagrado do judaísmo, além das duas existentes e separadas - uma para homens e outra para mulheres -, geridas pelos judeus ultra-ortodoxos.

Esta decisão a favor de um espaço misto, que não será gerido pelos ultra-ortodoxos, veio dar resposta a uma luta de vários anos de um grupo de mulheres, saído dos movimentos judaicos liberais e reformistas.