Duas gémeas siamesas com poucos dias de vida que partilhavam o mesmo fígado foram separadas cirurgicamente por uma equipa médica do Hospital Geral de Benguela, em Angola, a primeira intervenção do género naquela unidade.

O diretor do hospital, Eduardo Kedisobua, explicou esta terça-feira à Lusa que as gémeas estão a recuperar, embora ainda internadas nos cuidados intensivos da unidade neonatal, mas num quadro clínico que está a evoluir "satisfatoriamente".
 

"Correu tudo muito bem, estive agora a fazer os curativos e estão a recuperar. Mas não temos ainda previsão de alta para as meninas", disse o clínico.

Segundo a Agência Angola Press, as bebés estavam unidas pelo fígado e pelos intestinos, o que obrigou à participação de 30 profissionais na cirurgia, 15 dos quais médicos.