Numa conferência organizada em Frankfurt pelo banco central alemão, o presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi explicou que os governos dos países da zona euro melhoraram as suas posições orçamentais e que se tornaram mais competitivos. Além disso, acrescentou, existiram melhorias substanciais ao nível das exportações.

Nos últimos cinco anos, a diferença de custo de trabalho unitário face à zona euro caiu mais de 20 por cento na Irlanda, 15 na Grécia e quase 10 pontos percentuais em Portugal.

Quanto à baixa inflação da zona euro, Draghi explica que «uma taxa média de inflação de 0,8% em Janeiro» não é motivo para preocupação.

O responsável do BCE sublinhou ainda que a tendência da subida dos preços está ligada aos preços da energia e, em parte, a esforços de reequilíbrio para melhorar a competitividade. Ainda assim, admite que a queda da procura que se mantém não pode ser desvalorizada.