O presidente dos EUA vai anunciar, na Casa Branca, a estratégia para erradicar o Estado Islâmico (ISIS) no Iraque e na Síria, esta quarta-feira, pelas 21 horas locais (1h da madrugada de quinta-feira em Portugal continental).

Num comunicado divulgado esta tarde pela Casa Branca, os EUA garantem que vão «criar uma estratégia abrangente para degradar e, finalmente, destruir» a organização terrorista islâmica. Obama está decido a encontrar apoio internacional para combater os militantes do ISIS e os seus aliados.

Fontes de Washington afirmam não existir nenhuma ameaça imediata contra os EUA, mas garantem que a decapitação de dois jornalistas norte-americanos não ficará impune.

Os EUA têm bombardeado zonas estratégicas do ISIS no Iraque e na Síria mas Obama recusa enviar, para já, militares para a região, depois de no ano passado ter suspendido todas as missões militares naqueles países do Médio Oriente.

Para combater o ISIS, os EUA têm armado as forças iraquianas, nove anos depois da queda de Saddam Hussein, e curdas com equipamento militar e suplementos alimentares.

O secretário de Estado John Kerry esteve esta quarta-feira no Iraque para um encontro com os líderes, onde foram discutidos os esforços necessários para combater o ISIS.

Mais de 70 por cento dos norte-americanos apoiam a intervenção militar no Iraque e 65 por cento também a considera contra a Síria, segundo uma sondagem realizada pelo jornal «Washington Post» e a cadeia «ABC News».

Uma outra sondagem, desta vez feita pelo «NBC News-Wall Street Journal», mostra que 61 por cento considera a ação militar contra o ISIS de interesse para os EUA.