O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, enviou hoje ao Congresso um relatório sobre as negociações nucleares com o Irão, num novo esforço para tentar convencer os legisladores, incluindo o seu próprio partido, a não aplicarem mais sanções a Teerão.

O documento contém detalhes técnicos sobre o acordo alcançado entre as potências do G5+1 e o Irão, que serão aplicadas a partir de 20 de janeiro e que foi apenas parcialmente tornado público um breve resumo por desenho expresso do Organismo Internacional de Energia Atómica, explicou o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney.

O relatório marca a batalha em que está envolvido Obama para defender a sua posição sobre o Irão enquanto o Senado prepara uma lei para impor novas sanções à república islâmica.

Além da oposição republicana, Barack Obama tem ainda de enfrentar a oposição dentro do seu próprio partido, a quem pediu quarta-feira, para cerrar fileiras e evitar novas sanções a Teerão.

O projeto de lei sobre o Irão que está a ser negociado no Senado e que tem como promotores o democrata Robert Menéndez e o republicano Mark Kirk já recebeu o apoio de 59 legisladores, estando apenas a um voto de ser aprovado na câmara alta do parlamento.

Embora a Casa Branca já tenha ameaçado vetar a lei, os senadores poderiam contornar o veto presidencial se conseguissem aprovar o projeto com 67 votos a favor, um objetivo não muito distante do atual apoio.