O Presidente dos Estados Unidos, Barcak Obama, assegurou hoje que voltaria a efetuar a troca do sargento Bowe Bergdahl pelos cinco detidos talibãs de Guantánamo apesar das críticas duras pela possibilidade de deserção do jovem e falta de transparência com o Congresso.

Na sua primeira entrevista após a libertação do sargento, concedida à cadeia NBC a partir da Normandia, França, onde vários líderes mundiais se reuniram sexta-feira para celebrar o 70.º aniversário do Dia D, Obama explicou a razão da sua decisão.

¿Quando uma pessoa veste o uniforme do nosso país e está num cenário de guerra e é capturado, faremos todo o possível para o trazer para casa¿, reiterou.