Barack Obama esteve,l sexta-feira e sábado, de visita à Coreia do Sul e o regime liderado por Kim Jong-un não gostou do aviso, dirigido a si, deixado pelo presidente norte-americano. Por isso, partiu para as «ofensas» verbais. Acusou a chefe de estado do país vizinho, Park Geun-Hye, de ser uma «prostituta» e Barack Obama o seu «chulo».

O Governo Sul Coreano já veio hoje condenar «os insultos», considerando-os uma «imoralidade» e uma «violação do pacto de não agressão verbal» acordado no inicio do ano.

A Coreia do Norte afirmou ainda que a Coreia do Sul desenvolveu uma relação de «cão e dono», com os Estados Unidos, e garantiu estar preparada para uma «guerra nuclear».

Durante a sua passagem pela Coreia do Sul, Barack Obama deixou um recado a Pyongyang, «se insistirem em realizar testes nucleares vão ficar ainda mais isolados».

As palavras «ofensivas» e até mais agressivas foram divulgadas domingo, num comunicado do Comité norte-coreano para a Reunificação Pacífica da Coreia. De acordo com a tradução do jornal «The Guardian» do comunicado, que foi divulgado pela agência noticiosa norte-coreana KCNA, o comité diz que o comportamento de Park Geun-Hye, parece «o de uma rapariga pouco prudente que pede a um ganster para bater em quem ela não gosta ou a atitude de uma prostituta caprichosa que pede ao seu chulo que faça mal a outra pessoa enquanto tem sexo com ele».