O americano Troy Bradley e o russo Leonid Tiukhtyaev fizeram história. Os dois pilotos conseguiram atravessar o Oceano Pacífico num balão de hélio e bateram o recorde de «maior distância em balão» registado em 1981. No entanto, a distância ainda tem de ser confirmada pela Federação Aeronáutica Internacional, um processo que pode levar semanas.
 
A viagem começou no dia 25 de janeiro, em Saga, no Japão, e os pilotos esperavam conseguir aterrar o «Two Eagles» no Canadá ou nos EUA, mas acabaram por aterrar em Albuquerque, México. 

«Estes recordes são o Santo Graal dos balões a gás», afirmou Steven Hope, diretor da missão, citado pela National Geographic. acrescentando que os pilotos «não bateram apenas o recorde». «Eles estabeleceram o recorde em mais 27% e a duração em mais 17%. O recorde anterior tinha 30 anos!»

Deslocando-se à velocidade e ao capricho do vento, os pilotos completaram a viagem de 10 696 quilómetros em 160 horas e 37 minutos.

O balão a hélio e gás de alta tecnologia foi fabricado com uma resistente fibra sintética e de um composto de fibra de carbono e estava projetado para ficar no ar por 10 dias. Equipado com monitores e outros instrumentos que controlam o percurso do balão e registam os dados da viagem, o balão tinha uma zona de suporte para os pilotos tem 1,5 metros de largura e altura, 2,1 metros de comprimento e com um peso de cerca de 100 quilos.