O novo primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Baciro Djá, assinou esta segundafeira o que chamou de "Pacto de Estabilidade" com o Partido da Renovação Social (PRS), segunda maior forca no Parlamento do país, para a viabilização do seu Governo.

O acordo rubricado entre Baciro Djá e o líder do PRS, Alberto Nambeia, irá permitir a formação de um novo Governo guineense para substituir o executivo liderado por Domingos Simões Pereira, demitido no passado dia 12 de agosto pelo Presidente do país, José Mário Vaz.

O Governo de Baciro Djá deve ser anunciado ainda hoje, segundo fontes da presidência guineense, que são citadas pela Lusa. As mesmas fontes adiantaram que poderá ser empossado também hoje.

A demissão do anterior governo aconteceu apesar dos apelos generalizados dentro e fora do país para que o Presidente guineense não o fizesse. 

O Executivo estava em funções há um ano, depois de o PAIGC vencer as eleições com maioria absoluta e de ter recebido duas moções de confiança aprovadas por unanimidade no Parlamento -, além de ter o apoio da comunidade internacional. 

O partido voltou, na segunda-feira, a propor o nome de Simões Pereira a José Mário Vaz, mas o Presidente nomeou e deu posse, na quinta-feira, a Baciro Djá, alegando ser vice-presidente do partido mais votado e um profundo conhecedor das promessas eleitorais, uma vez que foi diretor da campanha eleitoral da força política, em 2014.