O desaparecimento deste domingo é o terceiro incidente grave com aviões de companhias malaias só este ano. A Malaysia Airlines perdeu dois aparelhos em 2014. O MH370 desapareceu a 8 de março, numa viagem de Kuala Lumpur para Pequim com 239 passageiros e tripulantes a bordo. A 17 de julho, o MH17 foi abatido sobre a Ucrânia, matando todas as 298 pessoas a bordo. 

 

Este domingo, desapareceu o voo QZ-8501 da Air Asia. O que se sabe para já deste último incidente traz à memória o caso do voo MH370. As coincidências tornam as comparações inevitáveis.

 

40 minutos

Tanto o voo MH370 da Malaysia Airlines como o QZ-8501 da Air Asia desapareceram dos radares cerca de 40 minutos após a descolagem

 

A 08 de março, o voo MH370 descolou de Kuala Lumpur, na Malásia, às 00:41 (hora local), com destino a Pequim, na China, onde deveria chegar seis horas mais tarde. Cerca de 40 minutos após a descolagem desapareceu por completo.

 

O voo QZ-8501 saiu este domingo do Aeroporto Internacional Juanda, em Surabaia, às 5:20 (hora local). Estava previsto chegar a Singapura às 8:20, mas deixou de aparecer nos radares cerca de 40 minutos após a descolagem.

 

 

Mudança de rota

Tanto num caso como no outro, os pilotos pediram para mudar de rota, alegadamente por causa do mau tempo, antes de perderem contacto com os controladores aéreos.

 

As buscas pelo avião da Malaysia Airlines começaram no Estreito de Malaca e estenderam-se depois a outras regiões do Oceano Índico, perto da Austrália, a milhares de quilômetros de distância.

 

O avião da Air Asia terá também caído no mar, perto da ilha de Belitung, entre Sumatra e Bornéu.