Os destroços encontrados na Ilha de Reunião são mesmo do MH370 desaparecido em março de 2014, confirmou o primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, num comunicado transmitido pela televisão, esta quarta-feira.

“Hoje, 515 dias depois do desaparecimento do avião, é com o coração pesado que tenho de anunciar que uma equipa de peritos internacionais confirmou, de forma conclusiva, que os destroços encontrados na ilha da Reunião são de facto do MH370.”


Najib Razak afirmou ainda que o Governo malaio está comprometido em descobrir a verdade sobre o que aconteceu ao voo da  Malaysia Airlines.

"A equipa de peritos internacionais confirmou, de forma conclusiva, que os destroços encontrados na Ilha da Reunião são, de facto, do MH370", disse Najib Razak, numa declaração televisiva. 


Já o procurador francês Serge Mackowiak disse que há indicações "muito fortes" de que a peça, que foi enviada para Toulose para ser analisada , pertence ao MH370. Contudo, espera os resultados de novas análises laboratoriais. Serge Mackowiak adiantou ainda que a mala encontrada na ilha também vai ser analisada pelos peritos franceses.

A companhia área que efetuou o voo, a Malaysia Airlines, já reagiu à confirmação do Governo malaio, afirmando que os familiares dos passageiros e a tripulação já foram informados. A transportadora acrescentou ainda que a descoberta representa um grande avanço na resolução do mistério que envolve o desaparecimento do avião.

“Esperamos que sejam encontrados mais destroços que possam ajudar a esclarecer o mistério.”


Na sexta-feira, a Malásia já tinha afirmado que o número de série inscrito no fragmento da asa encontrado pertencia a um Boeing 777. Apesar de não ter confirmado que se tratava do MH370, sabe-se que este é o único Boeing 777 desaparecido.

A peça foi encontrada na semana passada na ilha da Reunião, uma ilha vulcânica de 850 mil habitantes que faz parte da França. Localizada no Oceano Indico, perto de Madagáscar, fica a cerca de 3.700 quilómetros da Austrália, onde se têm concentrado as buscas pelo voo. 

Os especialistas dizem que o avião se pode ter despenhado e os destroços arrastados ao longo de milhares de quilómetros pelas correntes marítimas.

O avião da Malaysia Airlines desapareceu em março do ano passado, quando fazia a ligação entre Kuala Lumpur e Pequim. Transportava 239 passageiros e respetiva tripulação.