As imagens terão já 10 anos e mostram Andreas Lubitz sorridente e feliz, naquele que terá sido um dos primeiros voos do copiloto da Germanwings ao comando de um aparelho. São imagens das aulas de voo de Lubtiz agora divulgadas pela iTV News.
 
O vídeo tem apenas 30 segundos e mostra Andreas Lubitz a rir, enquanto descolava e voava nos céus alemães.



 
Lubitz, de 27 anos, começou a sua formação em 2007, aos 20 anos, na escola da Lufthansa. Em 2008, teve de abandonar a formação por causa de uma «depressão severa». O tratamento durou cerca de um ano e meio. 

Este problema ficou registado no processo de Andreas Lubitz com o código «SIC», que indica a necessidade de os pilotos serem submetidos a «revisões médicas regulares». Na formação, as boas notas de Andreas Lubitz terão feito esquecer o episódio da depressão.
 
Durante a o fim de semana, ficou a saber-se que Andreas Lubitz sofreria de um problema chamado Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG) e ter-lhe-iam sido receitados medicamentos para a doença. Estaria também a ser tratado a um problema na retina, que poderia por em risco a sua carreira como piloto.
 
Os médicos que acompanhavam Lubitz ter-lhe-ão receitado injeções de Olanzapina (um antipsicótico usado para tratar esquizofrenia e transtorno bipolar) e a prática de desporto para recuperar a autoconfiança. O copiloto da Germanwings sofria também de um transtorno psicossomático, como parecem indicar os documento e os medicamentos encontrados pela polícia alemã no seu apartamento e na casa dos seus pais. Andreas Lubitz terá sido medicado também com Agomelatina (um antidepressivo) para tratar problemas de sono. 

 


As autoridades francesas, responsáveis pelas investigações ao acidente aéreo nos Alpes, acreditam que já encontraram restos mortais do copiloto, Andreas Lubitz. O jornal alemão «Bild», citando fontes próximas da investigação, adianta que restos mortais foram identificados como sendo de Andreas Lubitz através de testes de ADN.  A confirmar-se esta informação, pode ser um dado crucial: a análise aos restos mortais pode indicar se Lubitz consumiu ou não medicamentos ou outras substâncias nas horas que antecederam o acidente.

Este domingo, soube-se que a namorada de Andreas Lubitz estaria grávida. Segundo o jornal alemão «Bild», a professora de inglês e matemática, cuja identidade é desconhecida, terá dado a notícia aos seus alunos nas últimas semanas. 

O mesmo jornal afirmou, no dia a seguir ao acidente, que a relação amorosa de Lubitz enfrentava uma crise, muito próxima da rutura. O copiloto e a namorada, juntos há sete anos, estavam noivos, com casamento marcado para o próximo ano.