A lista de passageiros do avião A320 não foi ainda tornada pública, mas as autoridades já revelaram informação sobre a nacionalidade de grande parte dos passageiros que iam a bordo da aeronave. A maioria dos passageiros continua a ser de origem alemã e espanhola, mas à medida que as famílias vão sendo contactadas, a lista vai sendo atualizada.
 

 LEIA MAIS: AS HISTÓRIAS E ROSTOS DA TRAGÉDIA


Durante o dia de ontem, pouco se sabia sobre a origem de outros passageiros que não os alemães e espanhóis. As primeiras informações davam conta da morte de 16 estudantes alemães e dois bebés espanhóis. Esta quarta-feira, a informação começou por ser veiculada pelo ministro dos Negócios estrangeiros francês, Laurent Fabius, que adiantou que existiam «uma meia dúzia de nacionalidades» a bordo da aeronave.
 

«As nacionalidades que estão comprovadas são principalmente a alemã e a espanhola. Mas de acordo com a informação que me foi dada, há nacionalidades que também estão já confirmadas: Argentina, Austrália, Bélgica, Colômbia, Dinamarca, Grã-Bretanha, Israel, Japão, Marrocos, México e Holanda», detalhou o ministro à imprensa francesa.

 
A meio da manhã o presidente da Germanwings, Thomas Winkelmann, atualizava a nacionalidade dos passageiros com uma nova lista que inclui: 72 alemães, 35 espanhóis, dois australianos, dois argentinos, dois iranianos, dois venezuelanos, dois norte-americanos, 1 britânico, 1 holandês, 1 colombiano, 1 mexicano, 1 japonês, 1 dinamarquês, 1 belga, 1 israelita e 25 por apurar.
 
 


A lista dos passageiros a bordo do avião Airbus A320  não inclui o nome de nenhum português, declarou o secretário de Estado das Comunidades. 

«Da consulta da lista de passageiros não é evidente a presença de qualquer português, ou seja, não há nenhum nome português», afirmou José Cesário, acrescentando aguardar que, «no caso de algum daqueles nomes ter nacionalidade portuguesa», lhe seja dada a informação. 

Existe uma disparidade entre a lista disponibilizada pela companhia aérea e a informação que vai sendo confirmada pelas autoridades oficiais de cada país. O caso mais evidente é o espanhol. A Germanwings avança que ia a bordo 35 espanhóis, mas o governo espanhol reviu o número para 51 cidadãos. Também os EUA adiantaram, mais tarde, que um terceiro norte-americano está entre as vítimas. 


Não há ainda informações sobre as causas do acidente. A primeira caixa negra do avião já foi encontrada, ainda que danificada. Ainda assim, o governo francês assegura que será possível retirar informação do dispositivo. As autoridades têm descartado a hipótese de terrorismo, apesar de admitirem que é um cenário em investigação. O Governo alemão diz mesmo não ter razões para desconfiar do envolvimento de terceiros na queda do avião da GermanWings.

A TVI ouviu alguns especialistas em aviação que apontam para alguns factos. Por um lado, a altitude mínima de segurança foi «furada» o que levou ao «embate no solo», isto é, o avião voava abaixo da altitude da montanha, acabando por embater, como relataram os testemunhos. Por outro, uma das causas que pode ter levado à «queda livre» é a despressurização do avião que pode ocorrer devido a uma falha no avião ou, por exemplo, a um rombo na fuselagem.

«Nunca é um motivo só. É sempre um conjunto. Os aviões não caem por uma questão única», disse um dos especialistas na TVI.



Quem são as vítimas?



Colômbia

Dois colombianos estavam no voo da Germanwings. A informação foi confirmada pelo próprio Governo. Os seus nomes são María del Pilar Tejada, de 33 anos, e Luis Eduardo Medrano Aragón, de 36 anos de idade. A primeira estava a fazer um doutoramento na Alemanha e o segundo era consultor da empresa Atland Global GE. 

Austrália 

A ministra dos Negócios Estrangeiros da Austrália, Julie Bishop, também já confirmou a presença de dois cidadãos australianos entre as vítimas mortais. Eram mãe e filho. 

Argentina 

A embaixada da Argentina, em Paris, avançou ainda com a presença a bordo de um casal com passaporte deste país. Foram identificados como Gabriela Luján Maumus e Sebastián Greco. 

Israel 

Também o Ministério dos Assuntos Externos de Israel identificou um cidadão israelita, a residir em Espanha, como um dos passageiros do voo. Era Eyal Baum. 

Japão 

Dois cidadãos japoneses foram também já indicados, por fonte do Governo do país, como vítimas do acidente fatídico. Eram Satoshi Nagata, de 60 anos de idade, e Junichi Sato, com 40. 

Reino Unido 

Entre as vítimas mortais estão ainda três britânicos, apesar da Germanwings apenas falar num cidadão inglês. Informação foi avançada esta quarta-feira pelo ministro dos Negócios Estrangeiros da Grã-Bretanha, Philip Hammond. A mesma fonte acrescentou que não pode, para já, garantir que não existem mais vítimas oriundas do Reino Unido. 

ACOMPANHE AO MINUTO TODAS AS ATUALIZAÇÕES DA QUEDA DO AVIÃO A320