«Tive notícias pelo meu supervisor, que me enviou uma mensagem quando eu ia para o trabalho, para não frequentar a zona», contou Tomás numa chamada telefónica ao Diário da Manhã da TVI24.

 

«Todas as ruas estavam fechadas e havia muita polícia no meio da rua. O trânsito estava completamente fechado», relatou o português que não assistiu a nenhum disparo, mas admitindo que mesmo assim sentiu que sentiu medo.

Várias pessoas foram sequestradas num café

  

«Saímos quatro, cinco horas mais cedo do que era suposto», informa Tomás, falando sobre a evacuação do banco. Os funcionários receberam informação que ninguém poderia sair do edifício sem ordem para tal e acabaram por ir para casa antes do final dos seus turnos.

 

O café encontra-se no Central Business District (CBCD), o centro económico de Sidney, onde se localizam várias empresas e onde, neste mês, está a árvore de Natal, o que atrai muitos turistas. Por isso, Tomás diz que o café é principalmente frequentado por turistas e empresários. O português explicou também que aquela é uma zona muito frequentada, inclusive durante a noite devido à existência de bares e discotecas.

 

Com receio de que possa tratar-se de um atentado terrorista, a polícia encerrou o Parlamento da Nova Escócia do Sul e a sede do Banco da Austrália.