Um submarino utilizado pela Marinha Australiana, durante a primeira guerra mundial, foi agora encontrado na águas da Ilha do Duque de Iorque, em Papua-Nova Guiné, 103 anos depois de ter desaparecido.

Submerso há mais de 100 anos, depois de ter sido utilizado por 35 tripulantes australianos e britânicos durante a primeira guerra mundial, o paradeiro deste navio de 800 toneladas (AE1) foi um dos maiores quebra-cabeças da história da marinha de Austrália. 

Tudo porque nunca foi feito nenhum pedido de socorro por parte dos tripulantes na altura do desaparecimento, nem nunca foram encontrados vestígios durante as dezenas de buscas realizadas. 

Foi uma tragédia para a nossa nação. Esta é uma das descobertas mais significativas da história naval marítima da Austrália", Marise Payne, atual Ministra da Defesa do país, acrescentando que acredita "que isto vai trazer alguma paz mental à família e aos descendentes dos tripulantes que morreram a bordo".

O submarino, enviado de Sydney para a Nova Guiné Alemã da altura, está agora a ser alvo de investigações - financiadas pelo governo e pela Fundação "Silentworld" -, para que sejam apuradas as causas da sua perda. 

Iniciadas no passado domingo, estas pesquisas estão também a ser acompanhadas pelo Instituto Submarino da Austrália, pelo Museu Nacional Marítimo Australiano, bem como pela empresa Fugro Survey, Governo PNG e pelo grupo "Find AE1".