Um tribunal australiano condenou esta quinta-feira a prisão perpétua, sem direito a liberdade condicional, um enfermeiro acusado da morte de 11 idosos num incêndio que provocou num lar de Sydney.

Roger Dean, de 37 anos e origem vietnamita, trabalhava como auxiliar médico no lar, com 88 residentes, quando provocou o incêndio, em novembro de 2011, no qual morreram cinco pessoas carbonizadas e outras seis devido às queimaduras que sofreram, tendo ainda outras oito pessoas ficado gravemente feridas.

Dezenas de familiares das vítimas, cujas idades variavam entre os 73 e os 97 anos, assistiram à leitura da sentença no Supremo Tribunal de Nova Gales do Sul, tendo uma delas desmaiado na sala de audiências, segundo a cadeia ABC.