A polícia da Austrália identificou e localizou um alegado assassino em série, suspeito de matar três pessoas. Contudo, as autoridades não podem deter o homem por não terem provas suficientes.

As autoridades já fizeram um apelo por informações que pudessem levar à detenção do suspeito. 

Sabemos claramente onde é que ele está. (O suspeito) sabe que tem sido um foco na investigação há já muitos anos e sabe que estamos a procurar outra vez", disse o detetive Des Bray, citado pela CNN.

O caso está ser investigado, desde janeiro, por sete inspetores. A polícia diz que as provas forenses e novas informações confirmaram as suspeitas anteriores de que o suspeito identificado foi responsável pelos três assassinatos - Phyllis Harrison, 71 anos, em 1998; Beverley Hanley, 64 anos, em 2010, e Stephen Newton, 55 anos, em 2011.

De acordo com a investigação, o suspeito tem 39 anos e era conhecido das três vítimas e, na altura de cada assassinato, o homem vivia a cerca de 10 minutos de distância de cada uma destas vítimas. 

Queremos ter a a certeza que reunimos provas suficientes para podermos condenar (o suspeito) em tribunal. Deter sem provas suficientes (...) iria expor o público a maior risco", explicou o detetive.

A investigação mostrou ainda que antes dos homícidios as vítimas ainda foram roubadas.

Este foi um ataque covardeCada ataque foi extremamente brutal. O tipo de pessoa que comete estas agressões não é digno de que o defendam. Por isso, apelo a qualquer pessoa que tenha informações [sobre os crimes] a pensar sobre isso, considere a sua consciência, considere as famílias de cada uma das vítimas, e faça a coisa certa agora e avance", pediu o detetive, numa tentativa de reunir provas para denunciar o suspeito.

A primeira vítima, Phyllis Harrison, de 71 anos, foi encontrada morta em casa, num cenário de roubo. A idosa sofreu várias facadas. Já Beverley Hanley, de 64 anos, estava a lavar a roupa quando foi atacada e sofreu ferimentos graves na cabeça. Também a casa desta vítima foi roubada. O corpo de Stephen Newton, de 55 anos, foi encontrado mais de um mês depois do ataque. Desta casa foram roubados vários aparelhos como a televisão, DVDs, uma consola de jogos e jogos. 

Estão a ser oferecidas recompensas, cerca de 100 mil euros, em troca de informações e provas que ajudem a condenar o suspeito.