A líder da oposição birmanesa e prémio Nobel da Paz, Aung San Suu Kyi, disse esta quinta-feira que vai dirigir o governo de Myanmar se o seu partido ganhar as eleições no domingo, apesar de estar impedida de chegar à Presidência.

“Vou liderar o governo e vamos ter um presidente que trabalhe de acordo com as políticas da Liga Nacional para a Democracia (LND)”.


Em junho, a LND foi derrotada num voto parlamentar crucial para eliminar o veto dos militares a uma mudança constitucional destinada a permitir que os cidadãos da Birmânia com um cônjuge ou filhos estrangeiros possam concorrer à Presidência. Os fihos de Suu Kyi são britânicos.

Apesar da derrota parlamentar, Suu Kyi prometeu "não desistir" da eleição.