Birmânia: Aung San Suu Kyi vai prestar juramento

Ban Ki-moon apela ao Ocidente para «ir mais longe» no levantamento das sanções

Por: tvi24 / CP    |   30 de Abril de 2012 às 08:07
A líder da oposição birmanesa, Aung San Suu Kyi, anunciou esta segunda-feira que vai prestar juramento no Parlamento para assumir o lugar de deputada para o qual foi eleita este mês, depois de ter boicotado a sessão inaugural da câmara.

A Nobel da Paz disse aos jornalistas, na sede do seu partido, a Liga Nacional para a Democracia, em Rangum, que vai prestar juramento em linha com «o desejo do povo» e que irá, com os restantes membros do seu partido eleitos, deslocar-se ao Parlamento, pela primeira vez, na quarta-feira, sem especificar como foi resolvido o braço de ferro com o Governo.

Suu Kyi e os outros 36 membros do seu partido eleitos boicotaram a sessão inaugural do Parlamento birmanês por discordarem do juramento que os obriga a «salvaguardar» a Constituição, promulgada em 2010 e redigida pela junta militar, já dissolvida, e pediram, sem sucesso, que as palavras fossem alteradas para «respeito» à Constituição.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, apelou também esta segunda-feira ao Ocidente para «ir mais longe» no levantamento das sanções políticas e económicas contra a Birmânia, durante um discurso proferido no Parlamento birmanês.

«Congratulo-me com as medidas adotadas até agora pela comunidade internacional, mas é preciso fazer mais. Hoje apelo à comunidade internacional para ir mais longe no levantamento, suspensão ou alívio das restrições comerciais e outras sanções», declarou Ban Ki-moon, no Parlamento birmanês em Naypyidaw, quando cumpre a sua primeira visita oficial ao país.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Aung San Suu Kyi
Aung San Suu Kyi
COMENTÁRIOS

PUB
Operações irregulares no BES «fora do radar» de ex-administrador

Joaquim Goes alega que as cartas de conforto «não eram do conhecimento da maioria dos membros da comissão executiva». «Entre as quais, eu próprio», assegura. Estas cartas foram passadas BES à petrolífera venezuelana PDVSA e resultaram em elevadas imparidades ao banco no primeiro semestre de 2014. Depois disso, foi o fim.