O ativista e advogado chinês Zhai Yanmin foi, esta terça-feira, condenado a três anos de prisão com quatro anos de pena suspensa por subversão.

Este foi o primeiro de uma série de quatro julgamentos que se realizam esta semana na China relacionados com a campanha do regime contra defensores de direitos humanos.

A agência oficial chinesa Xinhua, escreveu que Zhai, "residente de Pequim sem emprego", foi considerado culpado de subverter o poder do Estado por um tribunal de Tianjin (nordeste), julgamento em que só entraram alguns meios de comunicação social autorizados pelo Governo chinês.