Franco-atiradores sírios estão a alvejar propositadamente mulheres grávidas e os seus bebés ainda por nascer. A acusação é feita por um médico voluntário britânico numa reportagem da CNN.

A cadeia de televisão norte-americana exibe uma imagem de raio-X que mostra um bebé com uma bala alojada na cabeça e escreve que o protagonista dessa imagem é um bebé ainda no ventre da mãe. A mãe sobreviveu ao ataque, mas o bebé não.

O médico David Nott assegura que não é caso único. Ele diz que há snipers na Síria a praticarem «tiro ao alvo» e que as mulheres grávidas estão em grande quantidade entre as vítimas.

«A maioria das crianças foram retiradas dos ventres das mães aos sete, oito, nove meses de gestação. Isso significava que era bastante óbvio para qualquer pessoa que essas mulheres estavam grávidas», acusa o médico que trabalhou como cirurgião voluntário em vários hospitais sírios.

O médico diz que há igualmente crianças muito jovens alvo de fraco-atiradores. Ele diz mesmo que 90 por cento das cirurgias que praticavam todos os dias eram em pacientes atingidos neste tipo de situações.