Chinelos de criança, botas repletas de flores, ténis acompanhados de palavras em defesa do planeta são alguns dos milhares de sapatos que cobrem a praça parisiense de onde sairia uma marcha pelo clima, cancelada devido aos atentados.

Este "mar" de sapatos partilha a praça la République com uma estátua e uma escultura, transformadas este ano numa espécie de monumentos aos mortos, em memória das vítimas dos atentados de janeiro, que causaram 17 mortos, e de 13 de novembro, que provocaram 130 mortos, e agora rodeados de flores, velas e inscrições de homenagem.

"Mais de quatro toneladas" de sapatos foram recolhidos na última semana, explicou a diretora adjunta de Avaaz, um movimento mundial de mobilização de cidadãos, que teve a iniciativa desta ação.