O ministro do Interior belga, Jan Jambon, anunciou, esta quinta-feira, que o seu governo decidiu baixar em um grau o nível de alerta antiterrorista, que estava no patamar máximo, porque “não há ameaças iminentes" de ataques.

Jan Jambon explicou, em declarações ao canal RTL, que o Conselho de Segurança Nacional se tinha reunido esta tarde e o Órgão de Coordenação para a Análise de Ameaças (OCAM) tinha "decidido a reduzir o nível de ameaça para três", numa escala de quatro.

O nível três, que corresponde a uma ameaça "possível e provável", continua a ter uma série de implicações sobre a mobilização e a vigilância das forças de ordem.

A Bélgica estava em alerta máximo, correspondente a uma ameaça de "grave e iminente", uma hora após o duplo atentado que sacudiu Bruxelas, a capital belga, e que provocou pelo menos 32 mortos e mais de 300 feridos.

As duas explosões no aeroporto de Bruxelas e a outra na estação de metro de Maelbeek, em pleno bairro europeu, onde se situam os escritórios das principais instituições europeias, foram reivindicadas pelo auto-proclamado Estado Islâmico.

Três bombistas suicidas, dois do aeroporto e um do metro, já foram identificados.  Há um suspeito, cuja imagem foi captada pelas câmaras de vigilância do aeroporto, que se pensa estar em fuga e um quinto suspeito que terá estado no metro.