Jawad Bendaoud mora no número 8 da Rue du Corbillon, em Saint-Denis. O seu apartamento esteve no centro da mega operação antiterrorista que esta madrugada - e durante sete horas - se realizou neste subúrbio de Paris. Interrogado pela polícia, não ficou detido, mas os media franceses lançam suspeitas sobre o seu passado de delinquência e recordam um crime que o levou à cadeia.

A polícia de intervenção RAID procurava por Salah Abdelssam, terrorista envolvido nos atentados de sexta-feira em Paris, e também por Abdelhamid Abaoud, presumível mentor dos atentados. Não os terá encontrado. 

Antes de ser levado pela polícia, Jawad Bendaoud disse aos jornalistas que não conhecia as pessoas que estavam no seu apartamento, pois tinha-as acolhido a pedido de “alguém”, não precisando quem.

“Descobri que era em minha casa, e que os indivíduos estavam no meu apartamento. Eu não sabia que eram terroristas. Alguém me pediu para eu os receber, e eu fi-lo. Pediram-me para receber duas pessoas durante três dias e eu fiz isso. Não sei de onde eles vêm, não sei nada. Se soubesse não os teria recebido”.


Jawad Bendaoud é apresentado pelos media franceses como um delinquente que foi condenado a oito anos de prisão pelo tribunal de Bobigny, em 2008, pelo assassinato do seu melhor amigo.

David, de 16 anos, morreu com uma faca de trinchar enfiada no peito por Jawad Bendaoud, quando tinha 20 anos, a 26 de dezembro de 2006, numa disputa por um telemóvel desaparecido. Bendaoud cumpriu pena durante 12 meses, tendo saído por bom comportamento.

Este acontecimento foi noticiado na altura pelo jornal Le Parisien, conforme noticia a BFM TV.