Três pessoas morreram e 79 ficaram feridas, esta quarta-feira, num ataque a uma estação ferroviária na região autónoma chinesa de Xinjiang.

De acordo com a agência oficial Xinhua, os atacantes agrediram pessoas com facas e colocaram explosivos na estação ferroviária sul de Urumqi, capital de Xinjiang, oeste da China, no que a agência classifica como um «violento ataque terrorista».

Citando responsáveis locais do Partido Comunista Chinês, a agência Xinhua acrescenta que quatro pessoas ficaram feridas com gravidade, mas estão em «condição estável», após terem sido enviadas para um hospital da região.

A agência Reuters informa que «a polícia retirou as pessoas presentes no local» e «foram destacados militares da força de intervenção para a estação».

O ataque ocorreu no dia em que o presidente chinês, Xi Jinping, terminou uma visita àquela remota região autónoma, onde se concentra a minoria muçulmana Uighur.

Fronteiriça de oito Estados da Ásia central, Xinjiang é uma vasta região semidesértica rica em recursos naturais, uma das mais ricas da China, e onde os Uighur, muçulmanos turcófonos, constituem a principal etnia.

Nos últimos anos têm sido recorrentes os ataques em Xinjiang. O governo da região tem atribuído a culpa a militantes islâmicos e separatistas. Já os exilados e grupos de direitos humanos acusam o Governo chinês de agir contra os muçulmanos de Xinjiang.