Um jornalista alemão que testemunhou o atentado de ontem à noite, em Nice, relatou o que viu de uma varanda localizada no Passeio dos Ingleses. Segundo o jornalista, momentos após a entrada do camião na avenida, um motociclista tentou abrir a porta do condutor com o objetivo de evitar a tragédia.

Estava na varanda, mesmo no Passeio dos Ingleses, e vi como as pessoas celebravam e como de repente um camião atravessou a massa humana”, referiu Richard Gutjahr, de 42 anos, à AFP, acrescentando que "Surpreendentemente, ele [o suspeito do ataque] conduzia a baixa velocidade, muito devagar e foi perseguido por um motociclista”.

Gutjah conta ainda que o motociclista tentou travar o plano de Mohamed Bouhlel ao arriscar abrir a porta do veículo, numa tentativa que se revelou infrutífera, pois o homem acabou por cair e ficar debaixo das rodas do camião.

O jornalista freelancer conta ainda que viu dois agentes a abrirem fogo contra o camião, seguindo-se a reação do motorista, que acelerou e conduziu descontroladamente, fazendo centenas de vítimas.  

Nos 15 a 20 segundos seguintes houve tiros provenientes de várias armas. Não sei quem acertou em quem”. Depois disso, “a multidão em pânico correu em todas as direções. Aqueles que se conseguiram salvar, corriam para dentro dos hotéis, ou procuravam proteger-se nas entradas dos estabelecimentos”.

O jornalista termina o seu testemunho dizendo que logo depois do ataque viu “12 corpos no chão” e que “era claro que haveriam mais”.

No entanto, o motociclista não foi o último ataque da noite. O jornal Le Figaro avança que houve outro anónimo que tentou parar o motorista. Depois de o camião ter embatido num obstáculo e por isso se ter imobilizado, Mohamed Bouhlel começou a disparar a partir da cabine do camião. Foi nesse momento que um anónimo saltou em direção ao veículo, para tentar neutralizar o atacante. Contudo, o suspeito terá apontado a arma e o homem viu-se obrigado a fugir para salvar a vida.

Embora também este último herói não tenha conseguido neutralizar o atacante, o jornal refere que o seu ato corajoso possibilitou a distração de Mohamed, que terá sido abatido momentos depois.